mano penalva

O processo de Mano Penalva envolve seu interesse pela antropologia e formação cultural, principalmente brasileira, que se materializa nessa urgência em se apropriar de artigos comuns encontrados e adquiridos na rua, mercados populares e em viagens para compor seus próprios trabalhos. Sendo assim, pode-se reconhecer uma quebra de fronteiras, e globalização de linguagem proposta pelos trabalhos, seja na apropriação de uma iconografia nacional familiar, ou na justapostaposição desta à outras iconografias de diversas partes do mundo, subvertendo muitas vezes os valores e significados originais e costurando discursos de cunho sociais filosóficos que são evidenciados pelas formas dos objetos criados.

Mano Penalva (Salvador, Bahia, 1987), vive e trabalha em São Paulo. Formado em Comunicação Social (2008, PUC-RJ), cursou Ciências Sociais (PUC-RJ) e frequentou cursos livres de arte no Parque Lage (2005-2010, RJ).

Entre as exposições individuais estão: TRUK(ə), Soma Galeria, curadoria Josué Mattos (Curitiba, PR,  2018); Proyecto para Monumento, Passaporte Cultural, curadoria Yunuen Sariego (Cidade do México, MX, 2017); Andejos, Museu de Arte de Ribeirão Preto, com texto crítico de Olivia Ardui ( Ribeirão Preto, SP, 2017); Estado Sul, Camelódromo, curadoria Franck Marlot (Porto Alegre, RS, 2017); Balneário, Central Galeria, com texto crítico de Bernardo Mosqueira (São Paulo, SP, 2016); Deslocamento, Qual Casa, com texto crítico de Tarciso Almeida (São Paulo, SP, 2015), como parte do projeto Mesmo Lugar do Jardim do Hermes. 

Entre exposições coletivas que participou estão: O Maravilhamento das Coisas, Galeria Sancovisky, curadoria Julie Dumont (São Paulo, SP, 2018); A Bela e a Fera, Central Galeria, curadoria Leda Catunda (São Paulo, SP, 2017);  Hecha la ley, hecha la trampa, Hangar, curadoria Maykson Cardoso (Barcelona, BCN, 2017); As coisas se escoram tortas, Divisão de Artes Plásticas da Uel, curadoria Danilo Villa e Ricardo Basbaum (Londrina, PR, 2017);  Área,  Espaço Saracura, curadoria Omar Porto (Rio de Janeiro, RJ, 2017); Comensais, Projeto A MESA, curadoria Maykson Cardoso (Rio de Janeiro, RJ, 2016); Secretaria Insegurança Pública, SAO Espaço de Arte, curadoria Caroline Carrion (São Paulo, SP, 2016); 41º SARP - Salão de Arte de Ribeirão Preto, Museu de Arte de Ribeirão Preto (Ribeirão Preto, SP, 2015); Arranjos, SAO Espaço de Arte, com texto crítico de Mariana G. Leme (São Paulo, SP, 2016); Simphony of Hunger: Digesting FLUXUS in five moviments,  A PLUS A Gallery, curadoria September Collective (Veneza, IT, 2015); CONTRAPROVA, Paço das Artes, curadoria Hermes Artes Visuais (São Paulo, SP, 2015); 22º Salão de Praia Grande (São Paulo, 2015), 40º SARP - Salão de Arte de Ribeirão Preto, Museu de Arte de Ribeirão Preto (Ribeirão Preto, SP, 2015);  L’imaginaire de l’enfance, Cité Internationale des Arts, curadoria Carlotta Montaldo (Paris, FR, 2015); VIDI ARTE, Mirante do Avrão, curadoria Roberta Fernandes (Rio de Janeiro, RJ, 2014); Yf you see something, say something, Lot 45, curadoria Group BR (Brooklyn, NY, 2014). 


Entre os prêmios que recebeu estão: 41º SARP-Salão de Arte de Ribeirão Preto (2015).

cv

Mano Penalva’s process involves his interest in anthropology and cultural formation, specifically Brazilian, which materializes in an urgency to appropriate common articles found and purchased on the street, popular markets, and in trips in order to compose his works. Therefore, a breaking of borders is recognizable along with the globalization of language proposed by his works, whether it is the appropriation of national iconography, or in the juxtaposition of this with other iconographies from diverse parts of the world. Many times this subverts the original values and meanings and stiches together philosophical social discourse, which is evidenced by the resulting objects that are created.

Mano Penalva (Salvador, Bahia, 1987) lives and works in São Paulo. He has a degree in Social Communication (2008, PUC-RJ), studied Social Sciences (PUC-RJ), and took art classes at Parque Lage (2005-2010, RJ).

His solo exhibitions include: TRUK(ə), Soma Galeria, curadoria Josué Mattos (Curitiba, PR,  2018); Proyecto para Monumento, Passaporte Cultural, curadoria Yunuen Sariego (Cidade do México, MX, 2017); Andejos, Museu de Arte de Ribeirão Preto, com texto crítico de Olivia Ardui     ( Ribeirão Preto, SP, 2017); Estado Sul, Camelódromo, curadoria Franck Marlot (Porto Alegre, RS, 2017); Balneário, Central Galeria, com texto crítico de Bernardo Mosqueira (São Paulo, SP, 2016); Deslocamento, Qual Casa, com texto crítico de Tarciso Almeida (São Paulo, SP, 2015), como parte do projeto Mesmo Lugar do Jardim do Hermes. 

His group exhibitions include:  O Maravilhamento das Coisas, Galeria Sancovisky, curadoria Julie Dumont (São Paulo, SP, 2018); A Bela e a Fera, Central Galeria, curadoria Leda Catunda (São Paulo, SP, 2017);  Hecha la ley, hecha la trampa, Hangar, curadoria Maykson Cardoso (Barcelona, BCN, 2017); As coisas se escoram tortas, Divisão de Artes Plásticas da Uel, curadoria Danilo Villa e Ricardo Basbaum (Londrina, PR, 2017);  Área,  Espaço Saracura, curadoria Omar Porto (Rio de Janeiro, RJ, 2017); Comensais, Projeto A MESA, curadoria Maykson Cardoso (Rio de Janeiro, RJ, 2016); Secretaria Insegurança Pública, SAO Espaço de Arte, curadoria Caroline Carrion (São Paulo, SP, 2016); 41º SARP - Salão de Arte de Ribeirão Preto, Museu de Arte de Ribeirão Preto (Ribeirão Preto, SP, 2015); Arranjos, SAO Espaço de Arte, com texto crítico de Mariana G. Leme (São Paulo, SP, 2016); Simphony of Hunger: Digesting FLUXUS in five moviments,  A PLUS A Gallery, curadoria September Collective (Veneza, IT, 2015); CONTRAPROVA, Paço das Artes, curadoria Hermes Artes Visuais (São Paulo, SP, 2015); 22º Salão de Praia Grande (São Paulo, 2015), 40º SARP - Salão de Arte de Ribeirão Preto, Museu de Arte de Ribeirão Preto (Ribeirão Preto, SP, 2015);  L’imaginaire de l’enfance, Cité Internationale des Arts, curadoria Carlotta Montaldo (Paris, FR, 2015); VIDI ARTE, Mirante do Avrão, curadoria Roberta Fernandes (Rio de Janeiro, RJ, 2014); Yf you see something, say something, Lot 45, curadoria Group BR (Brooklyn, NY, 2014). 

Awards he has received include: 41º SARP-Salão de Arte de Ribeirão Preto (2015).